Seguidores

sexta-feira, 8 de junho de 2012

ESCOLA BIBLICA DOMINICAL - ESTUDO SOBRE SEITAS

INTRODUÇÃO

Sob o assunto base doutrinária da igreja, são introduzidas questões acerca da acusação que a igreja seria uma seita, a seita dos nazarenos.

O tema abordado é complexo, o que demanda aprofundamento do estudo pautado nas escrituras. Deve ser trazida também uma abordagem contemporânea. Não encontrei um título melhor para o tema deste post, mas submeto à apreciação e à crítica também.

A interpretação histórico-gramatical, com raízes na reforma, inicia-se com a análise literal do texto, a sua significação no contexto  em relação ao conjunto dos textos que cuidam do mesmo tema, o seu sentido no contexto histórico da época, quem escreveu e a quem era dirigida a mensagem (objetivo ou finalidade), em linhas gerais. A descontextualização e a alegorização podem conduzir a erros grosseiros, além do que o sentido literal das escrituras jamais poderá ser relegado a segundo plano. Isso não significa que a exegese bíblica está fora do nosso alcance, ou de qualquer pessoa, pois a Palavra de Deus só faz sentido para aqueles que tem o mesmo Espírito Santo.

Assim, partimos da temática estabelecida dentro do livro de Atos. Em seguida, o estudo pode ficar mais abrangente, é claro, até porque no próprio tema, direcionado a jovens e obreiros, há o pedido para que se comente acerca da aplicação para os nossos dias.

Vamos ao estudo:

PERGUNTAS DA SEMANA 04/06/2012 a 10/06/2012

 Assunto: Base doutrinária da igreja.
Texto fundamental: Atos Capítulos 24 e 25.
Em atos capitulo 24, Paulo foi acusado que o caminho em que servia ao Deus de seus pais era uma seita.

Pergunta-se:
É possível identificar argumentos proféticos usados por Paulo como defesa das acusações?  
Comente a aplicação profética em nossos dias.

Segundo a Biblia Sagrada em HTML, versão 1.0, o livro de Atos dos Apóstolos conta a história do desenvolvimento da igreja primitiva desde a ascensão de Cristo até o encarceramento de Paulo em Roma, e o começo de seu ministério ali. Muitos eruditos da Bíblia vêem neste livro o começo formal da era do Espírito Santo. Ao partir, Cristo fez o anúncio de uma grande campanha de missões por todo o mundo, através da mediação humana sob o poder do Espírito, 1:18.

Atos 24

1 Cinco dias depois o sumo sacerdote Ananias desceu com alguns anciãos e um certo Tertulo, orador, os quais fizeram, perante o governador, queixa contra Paulo.
2 Sendo este chamado, Tertulo começou a acusá-lo, dizendo: Visto que por ti gozamos de muita paz e por tua providência são continuamente feitas reformas nesta nação,
3 em tudo e em todo lugar reconhecemo-lo com toda a gratidão, ó excelentíssimo Félix.
4 Mas, para que não te detenha muito rogo-te que, conforme a tua eqüidade, nos ouças por um momento.
5 Temos achado que este homem é uma peste, e promotor de sedições entre todos os judeus, por todo o mundo, e chefe da seita dos nazarenos;
6 o qual tentou profanar o templo; e nós o prendemos, e conforme a nossa lei o quisemos julgar.
7 Mas sobrevindo o comandante Lísias no-lo tirou dentre as mãos com grande violência, mandando aos acusadores que viessem a ti.
8 e tu mesmo, examinando-o, poderás certificar-te de tudo aquilo de que nós o acusamos.
9 Os judeus também concordam na acusação, afirmando que estas coisas eram assim.
10 Paulo, tendo-lhe o governador feito sinal que falasse, respondeu: Porquanto sei que há muitos anos és juiz sobre esta nação, com bom ânimo faço a minha defesa,
11 pois bem podes verificar que não há mais de doze dias subi a Jerusalém para adorar,
12 e que não me acharam no templo discutindo com alguém nem amotinando o povo, quer nas sinagogas quer na cidade.
13 Nem te podem provar as coisas de que agora me acusam.
14 Mas confesso-te isto: que, seguindo o caminho a que eles chamam seita, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na lei e nos profetas,
15 tendo esperança em Deus, como estes mesmos também esperam, de que há de haver ressurreição tanto dos justos como dos injustos.
16 Por isso procuro sempre ter uma consciência sem ofensas diante de Deus e dos homens.
17 Vários anos depois vim trazer à minha nação esmolas e fazer oferendas;
18 e ocupado nestas coisas me acharam já santificado no templo não em ajuntamento, nem com tumulto, alguns judeus da Ásia,
19 os quais deviam comparecer diante de ti e acusar-me se tivessem alguma coisa contra mim;
20 ou estes mesmos digam que iniquidade acharam, quando compareci perante o sinédrio,
21 a não ser acerca desta única palavra que, estando no meio deles, bradei: Por causa da ressurreição dos mortos é que hoje estou sendo julgado por vós.
22 Félix, porém, que era bem informado a respeito do Caminho, adiou a questão, dizendo: Quando o comandante Lísias tiver descido, então tomarei inteiro conhecimento da vossa causa.
23 E ordenou ao centurião que Paulo ficasse detido, mas fosse tratado com brandura e que a nenhum dos seus proibisse servi-lo.
24 Alguns dias depois, vindo Félix com sua mulher Drusila, que era judia, mandou chamar a Paulo, e ouviu-o acerca da fé em Cristo Jesus.
25 E discorrendo ele sobre a justiça, o domínio próprio e o juízo vindouro, Félix ficou atemorizado e respondeu: Por ora vai-te, e quando tiver ocasião favorável, eu te chamarei.
26 Esperava ao mesmo tempo que Paulo lhe desse dinheiro, pelo que o mandava chamar mais freqüentemente e conversava com ele.
27 Mas passados dois anos, teve Félix por sucessor a Pórcio Festo; e querendo Félix agradar aos judeus, deixou a Paulo preso.

Conforme se vê em Atos 24.5, a acusação brandida contra Paulo era que ele era um agitador e principal chefe da seita dos nazarenos.

A palavra seita, conforme aplicada, tinha o significado de uma dissidência de um grupo religioso judaico perante o entendimento e a doutrina dominante dentro da religião judaica. Pelo fato da igreja primitiva iniciar-se dentro do judaísmo, deste diferindo pelo fato de ter como Messias e Salvador Jesus Cristo, o nazareno, era tida como a seita dos nazarenos. Daí a origem do termo seita, aplicado à igreja. Os nazarenos habitavam uma pequena vila na Galiléia, vista como local de pouca importância no Novo Testamento.

Em Mateus 2.23, está escrito que Jesus foi habitar em nazaré, para que se cumprisse o que fora profetizado, mas não há nenhuma menção a Nazaré no Antigo Testamento. Na verdade, Mateus nesse versículo não cita uma profecia específica, mas o entendimento geral da época com base nas profecias de que o Messias seria desprezado, o mais indigno dos homens (Isaias 53, Salmo 22).

Assim, a seita dos nazarenos (pode vir alguma coisa boa de Nazaré?) era desprezada, como o aposto "nazareno", adjetivando Jesus Cristo, era um sinal de desprezo por ele.

Percebemos que o assunto era de extrema importância para os judeus porque o sumo sacerdote veio ao julgamento perante o Governador Félix, acompanhado de um advogado habilidoso, Tértulo. Isto é, a seita dos nazarenos estava incomodando a religião oficial, e muito.

Tértulo, antes de pronunciar sua acusação, faz lisonjas ao julgador, como é comum até hoje em discursos. Após os diversos elogios, demonstra a habilidade de um advogado: a acusação era de que Paulo profanara o templo tendo introduzido gentios e palavras profanas. Isso não podia ser provado, então ele alega que Paulo era uma peste, chefe da seita dos nazarenos, e subsidiariamente introduz a real motivação, de que Paulo "tentara" profanar o templo. Esse jogo de palavras (tentativa em vez de ter levado a cabo a profanação) impedia que Félix absolvesse Paulo imediatamente,  e por isso Paulo foi mantido preso. Mas Félix era um político, e políticos pensam em manter posição e prestígio, daí porque ao sair manteve Paulo preso.

Quando Paulo se defende, percebe-se que ele não é um advogado ou orador profissional. Estava claramente em desvantagem, mesmo tendo razão. 

É possível identificar argumentos proféticos usados por Paulo como defesa das acusações?  


O que são argumentos proféticos? São argumentos que apontam para uma profecia. A profecia então era que o Messias, o Profeta de que falara Moisés, era Jesus Cristo, e Ele era o Salvador. Esse foi o tema da primeira pregação da igreja pelo Apóstolo Pedro no dia de Pentecostes. Também a questão da ressurreição dos mortos, tema de grandes controvérsias no meio judaico, sendo que os fariseus criam na ressurreição, era um argumento profético porque apontava para o ministério de Jesus, sua morte vicária e ressurreição, havendo se tornado o primogênito dos mortos.


Segundo esse entendimento, teríamos argumentos proféticos nos versículos 14, 15 e 21 de Atos 24, usados por Paulo em sua defesa.


Espero a colaboração dos irmãos.  Após o encerramento do estudo, esse post será também colocado em "Escola Bíblica Dominical", neste blog.


A Paz do Senhor


88 comentários:

  1. Belas colocações CVPFB,

    Este tema vai ser muito bom, mas pode se preparar para muitas polêmicas.

    ResponderExcluir
  2. Creio que o tema, como proposto pela EBD, apenas toca superficialmente a questão, se é o que você quis dizer.
    Não se preocupe porque vamos levar o tema até onde for preciso. Não acredito que o CVPFB vai opor obstáculos à exploração completa do tema. Será importante para todos.
    APDSJ

    ResponderExcluir
  3. interessante observar a descrição dos religiosos como seita dos nazarenos. Jesus de Nazaré confundia a mente dos religiosos judeus, pois o Messias nasceria em Belém, deveria ser da raiz de Davi. Os olhos deles estavam vendados. Para eles Jesus era um impostor.

    ResponderExcluir
  4. ..continuando, o argumento profético só tem valor quando o ESpírito Santo atua revelando Jesus ressurreto. Paulo teve esta experiência no caminho de Damasco. Até então as profecias do V.Testamento estavam distantes e não eram palpáveis.

    ResponderExcluir
  5. ..hoje as profecias acerca do Senhor Jesus e de sua volta, estão distantes e não são palpáveis para muitos. O materialismo apóstata teológico cristão tem sido a norma comum. Todo aquele que busca uma vida dirigida pelo Espírito Santo por meio da santificação e testemunho foge da regra comum e é tachado de sectarista e de fazer parte de uma seita.

    ResponderExcluir
  6. Paz! Cavaleiro Veloz Para Fazer o Bem.

    Vim agradecer a visita e comentário.
    Quanto a sua observação no tocante ao cursor, realmente foi posto sem conhecimento de causa.
    Obrigada pela disponibilidade em cooperar com esta informação, a qual possibilitou a correção do referido cursor por outro mais apropriado.

    Já estou seguindo o seu blog.

    P.S. Deixo o convite para que visites um outro blog com mensagens abençoadoras.
    Acesse e confira:

    http://discipulodecristo7.blogspot.com/

    Em Cristo,

    ***Lucy***

    ResponderExcluir
  7. A PAZ DO SENHOR JESUS!

    COLOCA ESTA POSTAGEM NO MEU BLOG EU TE ENVIEI O CONVITE

    bibliaapalavradedeus.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. A PAZ DO SENHOR JESUS!

    COLOCA ESTA POSTAGEM NO MEU BLOG EU TE ENVIEI O CONVITE

    bibliaapalavradedeus.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Caro irmão Wallace,

    De fato, ainda não sei como fazer, mas estou aprendendo.

    Mandei o post Príncipe da Vida para o seu e-mail, mas depois fiz algumas alterações. Assim que puder vou postar.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  10. Resposta do PES como resultado da contribuição dos irmãos de todo o país.

    INTRODUCAO:
    1. Para o estabelecimento da base doutrinária da Igreja, Paulo e os demais apóstolos tiveram que ter suas próprias experiências com o Senhor para poderem transmitir à igreja com segurança a doutrina da Palavra tirada do Velho Testamento e apresentada à igreja que iria viver da clareza dessa doutrina ajustada ao entendimento dela à luz do Novo Testamento.
    2. Os apóstolos, com suas próprias experiências com relação à doutrina, vão oferecer uma importante contribuição, através de suas mensagens, seus discursos e suas cartas doutrinárias fazendo a perfeita transposição do sentido doutrinário do VT para o entendimento da igreja.
    3. Agora em Atos dos Apóstolos capítulos 24 e 25, Paulo, perante o tribunal do governador Félix e de seu substituto Festo, assume uma posição definida, convicto de sua origem e destino, coeso e decidido a assumir as razões de sua fé e suas consequências. Por isso se expressa em Atos. 24:14 - “Mas confesso-te isto: que, conforme aquele caminho que chamam seita, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na lei e nos profetas” (na Palavra de Deus).
    Em Atos. 24:14 e 28:22 o termo foi aplicado desdenhosamente ao cristianismo e Atos 24:5 fala de Paulo como o “defensor da seita dos Nazarenos” que ele antes ele perseguia (Atos 9:2).
    E o livro de Atos dos Apóstolos termina o capitulo 28, dando conta de que o Caminho continuou sendo pregado aos gentios em Roma, e os judeus dali nem mesmo tinham recebido oficialmente as acusações contra Paulo, todavia sabiam que em toda a parte se falava a respeito da fé cristã como “seita”. (verso 22).
    A fé cristã era chamada de seita basicamente porque pregava uma mensagem que era diferente de tudo o que se conhecia nos meios religiosos do mundo todo, inclusive o judaísmo. A mensagem era: Jesus morreu, mas ressuscitou.
    Isso tornava os seguidores da fé no Senhor Jesus, também chamada de “o Caminho”, uma fé diferente das demais, tida por todos como um grupo que não se misturava com os demais.

    (DESENVOLVIMENTO DO ASSUNTO) RESPOSTA:

    SIGNIFICADO DA PALAVRA SEITA:
    No original grego a palavra “seita” se pronuncia – ERESIS, cujo sentido original é: uma escolha ou opção.
    No grego clássico, a palavra seita ou heresia podia ser usada tanto no bom sentido como no mau sentido, passando, posteriormente, a ser usada no sentido de escolas e tendências. Usada também como nome dado a uma assembleia dos professores de uma determinada doutrina ou de um determinado modo de vida.
    No dicionário da escola da língua Portuguesa, a palavra seita quer dizer: facção; partido; doutrina que se afasta da opinião geral; comunidade fechada de cunho radical.

    ResponderExcluir
  11. ... continuação
    1. ARGUMENTOS PROFÉTICOS USADOS POR PAULO COMO DEFESA DAS ACUSAÇÕES:

    a) ACUSAÇÕES A PAULO (perante Félix) – Primeiras acusações: – “Este homem...”
    Atos 24:5-6.
    1. é uma peste
    2. intentou profanar o templo (Atos 21:28-29)
    3. é promotor de sedições (revoltas, rebeliões) entre os judeus por todo o mundo.
    4. é defensor da seita dos nazarenos

    b) ARGUMENTO PROFÉTICO USADO POR PAULO – primeira defesa de Paulo.
    Atos 24:12-13.
    1. não subi a Jerusalém há mais de doze dias
    2. não me acharam no templo falando com alguém
    3. não amotinei o povo nas sinagogas, nem na cidade.
    4. não têm prova das acusações

    COMENTÁRIO DA APLICAÇÃO PROFÉTICA EM NOSSOS DIAS:
    1. Uma peste é uma palavra que conceituava Paulo como um propagador de doenças e pestilências, mas Paulo, pelo contrário, afirma que sua subida a Jerusalém para adoração não ultrapassou um espaço de doze dias. Com esse argumento Paulo falava profeticamente, pois doze é o número referido no VT aos patriarcas que deram origem às doze tribos de Israel. É também o numero dos doze apóstolos do Senhor Jesus. Doze é, portanto, o número da doutrina, prefigurado no ato profético do Senhor Jesus, quando, na multiplicação dos pães e peixes, foram ajuntados do que sobrou, doze cestos cheios de pedaços para que nada perdesse.
    A igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita que particulariza doutrinas, mas sua conduta de fé é baseada em TODA a doutrina apostólica, pois ela “crê em tudo quanto está escrito na Lei e nos Profetas”. (Atos 24:14b). Não há motivo para se criar doutrinas para a igreja fiel além daquelas ensinadas pelos Apóstolos. (Gal. 1:8). A Biblia é a ÚNICA regra de fé e prática do crente. Exemplo: A igreja fiel não segrega pessoas, nem raças, nem cor, nem nacionalidade. Não segrega pessoas privando-as do contato com familiares, ou constituírem família, por estarem se dedicando a causas religiosas. Criação de grupos separados por rótulos tais como: igreja do batismo tal, igreja do lava pés, igreja dos pães ázimos. A ceia, por exemplo, é de todos os crentes fiéis, porque ela é do Senhor. Todos os que estão em comunhão com o Senhor, sem qualquer impedimento (I Cor.11:27-28), têm acesso à Sua mesa. (Mt. 26:27).

    ResponderExcluir
  12. 2. A entrada de Paulo no templo era para adoração a Deus e para falar da Palavra de Deus conforme a ordem que o próprio Senhor havia dado aos apóstolos (Atos 5:20) e não para convencer alguém com “palavras persuasivas de sabedoria humana”, (I Cor. 2:4) pois quem era convencido com a pregação de Paulo era convencido pelo Espirito Santo.
    A igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita que prega um argumento filosófico e religioso que torna a fé restrita a um convencimento das pessoas para propósitos somente desta vida presente, mas sua mensagem é confirmada pelas operações do Espirito Santo que transforma o homem e o conduz à vida eterna, abrindo-lhe o entendimento das coisas espirituais. Exemplo: a igreja fiel não possui ritual nem liturgias secretas, mas seus cultos são abertos ao público. O acesso à Palavra é para todos os crentes e não para um grupo específico que se preparou de forma acadêmica para isso. (Mateus 11:25).

    3. Paulo não amotinava o povo nas sinagogas, nem na cidade, porque quando lhes falava era para trazer-lhes palavras de consolação. (Atos 13:15).
    A igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita que prega uma mensagem contundente e polêmica, mas sua mensagem atende aos anseios de todas as pessoas, pois é uma mensagem para a alma, haja vista a reação do governador Félix (Atos 24:25). Não é uma mensagem que amotina, ou dispersa, ou causa rebelião e contenda entre os que a ouvem, mas uma mensagem que aglutina e agrega as pessoas, pois é acompanhada da operação do Espirito Santo. Exemplo: na igreja fiel o acesso à Palavra é para todos os crentes e não para um grupo específico que se preparou de forma acadêmica para isso. (Mateus 11:25).

    4. Sua defesa pela seita dos nazarenos era porque Paulo antes perseguia os daquela seita (Atos 9:2), munido de cartas dos lideres religiosos que o autorizavam a fazer isso, alegando ser a fé cristã uma facção do judaísmo. Mais tarde sua conversão foi marcada exatamente pelo encontro com “...Jesus, o Nazareno...”, (Atos 22:8) no caminho de Damasco e esse encontro o transformou de perseguidor em defensor de um Caminho e não uma seita, pois entendeu que não se tratava de uma facção, mas um verdadeiro entendimento do que representava a Lei e os Profetas para a igreja.
    A igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita que mereça ser perseguida pelos que a conceituam como uma facção, chamando-a de seita, pois a igreja fiel não é o resultado de uma cisão de grupos religiosos, mas é composta daqueles que estão no Caminho da salvação em Jesus Cristo. (Atos 24:14). Exemplo: a igreja fiel vê Jesus no VT, porque Ele é o templo, o sacerdote, o cordeiro e o dia de descanso para a alma do crente.
    ====================================

    ResponderExcluir
  13. ...a) ACUSAÇÕES A PAULO (perante Festo) – Segundas acusações:
    Atos 25:2, 3 e 7.
    1. armando ciladas contra Paulo (vs. 3)
    2. matarem Paulo no caminho (vs. 3)
    3. graves acusações contra Paulo, mas sem provas (vs. 7)

    b) ARGUMENTO PROFÉTICO USADO POR PAULO – segunda defesa de Paulo.
    Atos 25:8
    1. não pequei contra a lei dos judeus
    2. não pequei contra o templo
    3. não pequei contra César.

    COMENTÁRIO DA APLICAÇÃO PROFÉTICA EM NOSSOS DIAS:
    1. As ciladas eram armadas pelos judeus contra Paulo, pois o acusavam de interpretar mal a Lei e os Profetas, que era o VT. Pelo contrário Paulo entendeu que o jugo do VT que nem eles ali, nem seus antepassados puderam suportar, não era para ser imposto sobre os que estavam no Caminho. (Atos 15:10).
    A igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita que impõe sobre as pessoas o fardo de práticas religiosas de cunho radical, tais como: abstinência de certos alimentos, prática de penitências, imposição de usos e costumes, (trajes, uso de véu, cortes de cabelo), de forma de batismo ou de dia de guarda. Nem mesmo de forma de vida que impede o homem de viver e cumprir seus compromissos para com a família, a sociedade e a pátria.

    2. A intenção de matar Paulo no caminho era quando da sua ida para Jesusalém, conforme pedido do sumo-sacerdote e dos principais dos judeus a Festo (Atos 25:3). Mas ele alega que sua ida a Jerusalém era para adoração, levando para os irmãos em Jerusalém as ofertas arrecadadas (Atos 24:17 / Rm.15:25) e não para ser morto no caminho. (Atos 24:11).

    A igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita que mata os que caminham para Jerusalém, pois Jerusalém representa para ela o caminho da eternidade e por isso sua mensagem é voltada para as coisas da eternidade. Morrer no caminho é para aqueles que vivem sob as ameaças de morte espiritual impostas pelos que lhes anunciam um evangelho somente para os interesses da vida presente. (I Cor. 15:19).
    Por exemplo: identifica-se uma igreja fiel quando ela abre seus templos para todos indistintamente, pois os cultos são públicos. Os templos são abertos para quaisquer pessoas e não tem reuniões secretas. Aqueles que se congregam a ela não o fazem por causa de uma carta de transferência de membro de uma instituição para outra, ou forma de batismo, mas pelo testemunho de transformação de vida cuja carta de apresentação é a experiência do novo nascimento.

    3. As graves acusações foram as mesmas que puseram Jesus contra Cesar na presença de Pilatos, (João 19:12). Paulo se defende delas dizendo que “não pequei contra César”.
    A igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita, que proíbe seus membros do cumprimento com as obrigações cívicas ou de atender a certas exigências das leis do País. Exemplo: reunir os irmãos em dias de obrigações cívicas para priva-los de cumpri-las, tais como votar nos dias de eleição, bem como proibições do cumprimento com o serviço militar. “Dai, pois a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. (Mateus 22:21).
    ==================================================
    “A SEITA” e “O CAMINHO” – ATOS 24:14

    A SEITA PREGA: O CAMINHO PREGA:
    - Um Jesus morto, de misticismo (Atos 25:19) – “...algumas questões acerca de sua superstição e de um tal Jesus, defunto, que Paulo afirmava viver”.
    - Um Jesus vivo. “...Paulo afirmava viver”. (Atos 25:19)

    - “que Paulo não viva mais”: perseguição contra a verdade. (Atos 25:24)
    - Quem anuncia a verdade não pode se calar. “...fala Paulo e não te cales”. (Atos 18:9)

    - argumentos contra a verdade do evangelho em toda parte. (Atos 28:22b) – “...em toda parte se fala contra ela”.
    - a mensagem que todos querem ouvir (Atos 28:22a) – “...bem quiséramos ouvir de ti o que sentes (pensas)”;

    ResponderExcluir
  14. ''igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita que impõe sobre as pessoas o fardo de práticas religiosas de cunho radical, tais como: abstinência de certos alimentos, prática de penitências, imposição de usos e costumes''
    Eu sei que quem usa calça,barba,bermuda não é levantado para funçaõ e quem bebe vinho também não..imagino que as irmãs fazendo caminhada de saia,seja fardo sim,e culto ao meio dia semana toda é fardo sim,porque é muito difícil cumprir isso,um sol lascano de quente,tem irmãos que tem que andar até um km,para cumprir isso,outros tem que ficar até sem almoço e se não cumprir tá desacertado

    ResponderExcluir
  15. Os argumentos utilizados pelo PES não tem nada de profético. São argumentos utilizados por Paulo em sua defesa, apenas isso.

    1. não subi a Jerusalém há mais de doze dias
    2. não me acharam no templo falando com alguém
    3. não amotinei o povo nas sinagogas, nem na cidade.
    4. não têm prova das acusações

    E depois,

    1. não pequei contra a lei dos judeus
    2. não pequei contra o templo
    3. não pequei contra César.

    Argumentos proféticos, que eu saiba, dizem respeito a alguma profecia. Não vi.

    APDSJ

    ResponderExcluir
  16. Argumentos proféticos são os seguintes.

    14 Mas confesso-te isto: que, seguindo o caminho a que eles chamam seita, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na lei e nos profetas,15 tendo esperança em Deus, como estes mesmos também esperam, de que há de haver ressurreição tanto dos justos como dos injustos


    Já está na postagem. Só é possível servir a Deus através de Jesus Cristo, escândalo para os judeus e loucura para os gregos. Paulo falava do cumprimento das leis e profetas em Jesus Cristo, o nazareno. Paulo pregava a ressurreição dos mortos, que nós deveríamos buscar a coroa da justição.

    Esses são argumentos proféticos claros. Os outros, não.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  17. Anônimo,

    A igreja fiel está em todas as congregaçõess. Não existe UMA igreja fiel que seja uma denominação, isso é heresia.

    ResponderExcluir
  18. Romanos 14:1-23
    1 ORA, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas.
    2 Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes.
    3 O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu.
    4 Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar.
    5 Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente.
    6 Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus.
    7 Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si.
    8 Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor.
    9 Porque foi para isto que morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos.
    10 Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo.
    11 Porque está escrito:Como eu vivo, diz o Senhor, que todo o joelho se dobrará a mim,E toda a língua confessará a Deus.
    12 De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.
    13 Assim que não nos julguemos mais uns aos outros; antes seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao irmão.
    14 Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus, que nenhuma coisa é de si mesma imunda, a não ser para aquele que a tem por imunda; para esse é imunda.
    15 Mas, se por causa da comida se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. Não destruas por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu.
    16 Não seja, pois, blasfemado o vosso bem;
    17 Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo.
    18 Porque quem nisto serve a Cristo agradável é a Deus e aceito aos homens.
    19 Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros.
    20 Não destruas por causa da comida a obra de Deus. É verdade que tudo é limpo, mas mal vai para o homem que come com escândalo.
    21 Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça.
    22 Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova.
    23 Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado.

    ResponderExcluir
  19. "A Igreja fiel, a Obra do Espírito Santo não é uma denominação."
    Anônimo todos sabem disso. E daí ?
    Você está muito preocupado com denominação. Deixa cada um servir ao Senhor. Leia o texto de Romanos 14. Deixe o Senhor julgar.
    Todos temos a função de testemunhar e sermos cheios do Espírito Santo. Somente os que estiverem com as candeias cheias. Você está vivendo uma seita ou está vivendo a fé no filho de Deus ?

    A Paz do Senhor Jesus.

    ResponderExcluir
  20. ... somente os que tiverem candeias cheias serão arrebatados.

    ResponderExcluir
  21. A igreja primitiva era uma igreja adenominacional, composta de um povo que tinha por Savador a Jesus Cristo, o nazareno, desprezado para os desconhecidos, mas Rei dos reis e Senhor dos senhors para aqueles que O conheciam. Derrotado para os escarnecedores, mas Deus ressurreto, vencedor do pecado, da morte, do império romano e do império das trevas.
    A igreja primitiva depositava toda a sua esperança no Senhor Jesus, não tinha prata e nem ouro, tudo o que tinha era o Senhor.
    Eram unânimes em oração, e as disputas eram resolvidas sob a direção do Espírito Santo.
    Ninguém era obrigado a servi-Lo, mas todos desejavam. Era pregado o arrependimento, a necessidade de transformação de vidas e o revestimento do Espírito Santo.
    Não devia haver dívidas, a única dívida era a do amor (a ninguém devais coisa alguma, senão o amor).
    As contendas, porfias, dissimulações, heresias de perdição, nada disso era aceito, mas o pecador era abraçado com amor.
    O Espírito de Deus tinha liberdade para operar, e a posição de honra era medida pela intimidade com o Senhor, com a demonstração de Espírito e Poder de Deus, com os frutos do Espírito, e não por cargos hierárquicos.
    Enfim, a glorificação era dirigida ao Deus Vivo, ao Autor e Consumador da nossa fé, e ao Seu Espírito, somente.
    A igreja era humilde, era uma congregação cujas estruturas físicas não foram lembradas, porque ela era de carne e osso, feita de pessoas, templos do Espírito Santo, cujo sumo-sacerdote atendia pelo nome de Jesus Cristo.
    Havia amor entre os irmãos, e ninguém era obrigado a permanecer, mas a presença do Senhor atraia a todos.
    Salvação, milagres, maravilhas, libertação e vitórias por toda a parte. Lutas, prisões e opressões também.
    O clamor era "Jesus Cristo, nosso Salvador, ressuscitou, e derramou isso que agora vês, o Espírito Santo", "não extingais o Espírito", mas "enchei-vos do Espírito Santo".
    Nenhuma igreja era melhor do que a outra, de umas cidades enviavam recursos para outras.
    Que igrejas assim continuem existindo hoje.
    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  22. Excelente comentário CVPFB. Uma maravilha. Oxalá nossa igreja volte a ser assim.
    Enquanto o blog do cavaleiro veloz jorra maldição, aqui tem uma fonte de aguas limpas.
    APDSJ

    ResponderExcluir
  23. Como sempre, a ICM e sua preocupação em se auto-defender. Continua se intitulando a "Igreja Fiel" ("A igreja fiel de Jesus EM NOSSOS DIAS não é uma seita que particulariza doutrinas...."). Qual proveito espiritual em se saber o significado de uma seita? Nenhum. Somente argumentos para se defender. Pregar a bíblia, pregar Jesus, que é o que realmente o povo de Deus precisa, NADA.

    ResponderExcluir
  24. Anônimo,

    Vá em frente, acho que há proveito espiritual em se saber o que é seita, o que é igreja fiel, o que é particularizar doutrinas. Dê a sua contribuição.

    Há, neste blog, muitas mensagens de salvação. Pode ler, é de graça.

    ResponderExcluir
  25. Anônimo explique melhor em que a ICM está preocupada em se defender. A EBD foi realizada nas igrejas da ICM entre os seus membros e aberta ao público. Não há nenhuma preocupação com a denominação. A preocupação é se você está vivendo uma seita defendendo princípios teológicos e ideológicos ou está vivendo a fé em Jesus dirigido pelo Espírito Santo. Agora vejo que você está muito preocupado com a denominação. A Igreja fiel e a Obra do Espírito Santo são adenominacionais.

    Gal 2:20 - Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.

    Romanos 16:24 a 27
    24 A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém.
    25 Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério que desde tempos eternos esteve oculto,
    26 Mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé;
    27 Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém.

    ResponderExcluir
  26. CVPFB

    Acho impressionamente como os Maranatas ficam incomodados quando são criticados, quando até pouco tempo atrás riam dos deboches de Gedelti no maanaim quando ridicularizava outras denominações.

    Agradeço por oferecer as mensagens.

    ResponderExcluir
  27. Anônimo

    Oque mais tem se visto ultimamente é auto-defesa da placa de sua igreja.
    Tomei conhecimento que o sr. Gedelti semana passada em uma transmissão em BH, pregou sobre Judas, uma mensagem destinada aos massacre dos retirantes. Pq não pregou sobre Davi, Jacó, Daniel, mensagens que edifiquem a igreja.

    Mensagens sobre Judas, seita, etc....edificam a quem? Somente a vcs mesmos no sentido de permanecerem na ICM mesmo diante de toda lama por trás do PES.

    Mas ok, vamos fingir que não há defesa de denominação.

    ResponderExcluir
  28. Anônimo você ainda não respondeu . O que a ICM está defendendo ? 0
    Você desviou o assunto como é próprio dos críticos pela crítica. Qual a seita que você faz parte. Defenda-a na palavra. Porque você está com raiva da ICM ? Você é da seita dos retirantes ou outra denominação ?
    Qual o motivo do seu ódio ?
    Porque você não registra uma igreja para atuar no país de forma regulamentada ?
    O nome pode ser " Igreja Evangélica Adenominacional " ou "Igreja Fiel" ou "Obra do Esppirito Santo". Por que você não prega o evangelho e esquece esse negócio de denominação ?
    Qual o motivo da sua intolerância ?
    Em que posição você está ? A dos acusadores de Paulo ?

    ResponderExcluir
  29. Caro Anônimo. Vamos por parte.

    O que a ICM está defendendo?
    R: Esse estudo veio pra se defender das acusações de ser uma seita. Não sei se o irmão acompanha alguns sites de relacionamento. Mas algumas doutrinas, usos e costumes são comparados ao de seitas. O estudo na EBD veio exatamente no momento que isso está em evidência.

    Qual seita faço parte?
    R: Nenhuma. Faço parte da igreja "invisível". Noiva de Cristo. Não associada a nenhuma denominação.

    Pq estou com raiva da ICM?
    R: Quem disse que estou com raiva da ICM?

    Qual motivo do seu ódio?
    R: Quem disse que tenho ódio?

    Rapaz, quantas perguntas. Anda tem a cara de pau de insinuar que tenho raiva, ódio, etc....

    Quanto amor à ICM? Gedelti deve ter orgulho de vc. Parabéns!

    ResponderExcluir
  30. Continuando....

    "Por que você não prega o evangelho e esquece esse negócio de denominação ?"

    KKKKKKKK...pq não dá essa sugestão ao comendador Gedelti? Ele anda tão bravo que só sabe pregar crucificando os que saem da ICM. Se esqueceu completamente do evangelho. Dá esse conselho pra ele!

    Intolerância????
    Nem vou discutir com icemita sobre isso.

    Em que posição estou?
    Bem longe da ICM. E bem perto de Jesus. Pode ter certeza.

    ResponderExcluir
  31. Você não respondeu biblicamente o que a ICM está defendendo. Estou esperando.
    Bom que você esteja perto de Jesus. Espero que o Senhor esteja perto de você também.

    ResponderExcluir
  32. Porquê essa intolerância com os icemitas ?

    ResponderExcluir
  33. Porquê essa fixação com o GG ?

    ResponderExcluir
  34. Faltou você responder :
    Porque vc não abre uma igreja ? pode usar os nomes que sugeri.

    A pergunta sobre sua posição foi se é a mesma dos acusadores de Paulo.

    ResponderExcluir
  35. Caro anônimo,

    "Certas doutrinas, como usos e costumes, são comparados aos de seitas".

    Já discutimos amplamente o assunto nos posts anteriores, em especial na Carta de Gálatas. Disse que a Maranata nasceu no meio pentecostal, onde essas práticas são comuns até hoje.

    Não vamos aqui citar denominações. mas reitero que essa é a prática majoritária no meio pentecostal, e todos sabem que isso é verdadeiro.Igrejas como a Assembléia de Deus sempre utilizaram essas práticas como doutrinas, e nem por isso foram acusada de ser uma seita. Vamos reiterar também que o posicionamento do blog é que modéstia e decência devem ser a linha mestra no viver do crente, e que o uso particular de calça comprida feminina não é pecado. As questões quanto á barba e outras posições mais radicais são comuns no meio pentecostal. a ICM, em outros países é mais liberal quanto a usos e costumes. Enfirm, saibamos distinguir
    preceitos regionais (usos e costumes) de doutrinas bíblicas, mas fica a recomendação para não escandalizar os mais simples.

    Parece haver uma confusão com a questão igreja fiel, quando se diz que ela não faz acepção de pessoas. Acho que igreja fiel é a que vai subir. Igrejas locais devewm aproximar-se o máximo do modelo proposto no NT, talvez aí a utilização do termo "igreja fiel", de forma imprópria, um erro comum.

    enfim, espero que esse blog sirva também para o aperfeiçoamento dos irmãos e da igreja.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  36. Lembrar ainda que a característica mais evidente das seitas é o desvio do entendimento sedimentado e comumente aceito acerca da sã doutrina.

    ResponderExcluir
  37. Na minha visão, uma denominação, para ser chamada de seita, deve possuir erros doutrinarios tão intimamente ligado a sua existencia que impossibilita o integrante de renegar seus principios sem renegar a propria denominação, e esses erros tem que ser eivados de tal gravidade que o espirito santo seja incapaz de operar. vou dar exemplos: a ICAR, eu considero seita, pois coloca MARIA e SANTOS como intercessores. O ISLAMISMO, que considera maomé acima do próprio Senhor Jesus. Uma famosa igreja pseudocristã cujo publico alvo são pessoas de orientação sexual incompatível com os ensinamentos biblicos... percebam que essas heresias inseridas nessas orientações religiosas acabam por desvirtua-las da sã doutrina a ponto de alguem poder perder a salvação da alma, finalidade do projeto redentor de Deus. Ora, a ICM pode até ter um certo exclusivismo (tem, não há como negar) e praticas que não encontram respaldo biblico, mas esses desvios doutrinarios dificilmente custarão a salvação de alguem. Uns dizem "consultar para batismo não tem base biblica" concordo, não tem mesmo. mas isso não vai atrapalhar na salvação de ninguem (a não ser que o catacumeno fique indignado e tal... mas isso é outra historia) o clamor pelo sangue de Jesus da mesma forma... o que o GG fala ou deixa de falar não tem importancia, pois a heresia esta na essencia da denominação, e não na opinião de um membro, por mais importante que ele seja, pois será uma opinião. Eu sou da ICM, não concordo com o que GG fala, não estou apegada a cargos e funções, simplesmente o Senhor não requereu de mim a minha saida. Estou farta de muitas coisas, estou mesmo. mas estou em oração. E a ICM não é seita, é apenas uma denominação que precisa arrumar umas coisas e retirar outras mas o Senhor tem falado nela, sempre.

    ResponderExcluir
  38. A PAZ DO SENHOR JESUS EU ENVIEI O CONVITE PARA VC POSTAR NO MEU BLOG

    BÍBLIA A PALAVRA DE DEUS

    ResponderExcluir
  39. Concordo em parte.....

    Clamor pelo sangue de Jesus tem base bíblica, provei neste blog. Consulta à Palavra tem referências bíblicas, como a consulta ao Urim e Tumim, a abertura aleatória das Escrituras pelo Senhor Jesus, dando o texto de Isaias 61 que cumpriu uma profecia.

    Também os apóstolos tiraram sorte para escolha de um apóstolo em substituição a Iscariotes, o que pareceria uma tremenda falta de reverência ante assunto tão imporante, não fosse o contexto, em que se vislumbra justamente o cuidado dos apóstolos em escolher servos aptos, a súplica ao Espírito de Deus e a oração.

    Enfim, orações podem "funcionar" ou não, depende da fé e da comunhão de quem ora, e de quem tem poder para atende-la.

    Consultar a Palavra e clamar pelo sangue de Jesus, com a devida reverência e comunhão, enquadram-se na assertiva.

    Concordo com o sectarismo e com algum exclusivismo religioso, que temos de abolir por completo do nosso meio. Não há mal algum em visitar outra denominação religiosa cristã, orar no monte, ter comunhão com irmãos de outra denominação. Não há mal algum, muito ao contrário, receber pastores de outra denominação ou pregar em outra denominação. Afinal, a igreja de Jesus Cristo é adenominacional.

    Embora assunto tão simples sequer deveria merecer menção, ressalto que não seremos medidos, segundo o galardão, por pertencermos a uma denominação ou outra, mas pelas OBRAS, frutos do Espírito de Deus. Dentre essas obras, não se inclui o orgulho por pertencer a uma denominação, mas a humildade por saber que tudo o que temos recebemos de graça, e quando fazemos algo para o Senhor, não fazemos mais do que a obrigação: somos servos inúteis.

    Segui o amor ao próximo, que não exclusivamente pertence à nossa família, pois quem ama apenas os seus (irmãos de sangue ou irmãos em Cristo) não fez nada de mais, mas quem ama os descrentes e os inimigos agrada ao Senhor.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  40. Impossível a um verdadeiro cristão ser fiel a Cristo e ao mesmo tempo ser membro de uma sociedade secreta dominada por homens e princípios anti-cristãos.

    Textos básicos:

    "Não vos ponhas em jugo desigual com os incrédulos" - 2Cor. 6,14-17

    "Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios" - Sal. 1,1

    "...vos aparteis de todo irmão que anda desordenadamente..." - 2Tes. 3,6

    "...retirai-vos dela povo meu, para não serdes cúmplices dos seus pecados e para não participardes dos seus flagelos" - Apoc. 18,4

    Seitas Diversas / Destrutivas

    SEITA - "Um grupo de indivíduos reunidos em torno de uma interpretação errônea da Bíblia, feita por uma ou mais pessoas." – Dr. Walter Martin, O Império das Seitas, página 11.

    Essas interpretações errôneas da Bíblia são chamadas de heresias, ou desvios doutrinários. Vejamos, então, as características de uma seita em relação à Palavrade Deus, a Bíblia.

    ASPECTOS COMUNS

    Existem muitos aspectos comuns entre as seitas que têm se disseminado pelo mundo. É importante que nós saibamos reconhecer suas características, a fim de que não sejamos enganados ou até mesmo desviados da verdadeira fé cristã.

    1. As seitas subestimam o valor do Senhor Jesus ou colocam-no numa posição secundária, tirando-lhe a divindade e os atributos divinos como conseqüência.

    2 Crêem apenas em determinadas partes da Bíblia e admitem como "inspirados" escritos de seus fundadores ou de pessoas que repartem com eles boa parte daquilo que crêem;

    3. Dizem ser os únicos certos;

    4. Usam de falsa interpretação das escrituras;

    5. Ensinam o homem a desenvolver sua própria salvação, muitas vezes, sob um conceito totalmente naturalista;

    6. Costumam buscar suas presas em outras religiões, conseguindo desencaminhar para o seu meio, inclusive, muitos bons cristãos.

    Partes retiradas de:

    http://www.cacp.org.br/seitasdiversas/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=1983&menu=8&submenu=2

    http://www.cacp.org.br/seitasdiversas/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=955&menu=8&submenu=2

    ResponderExcluir
  41. Caro irmão CVPFB,

    Sabe que nutro um respeito por você, mas estou aqui para afirmar:

    1) O clamor pelo sangue de Jesus como obrigatório e ponto doutrinário não tem fundamento bíblico algum. Afirmar tal coisa é negligenciar as Escrituras e os relatos dos pais da igreja e dos reformadores;

    2) A consulta a palavra também não possui embasamento bíblico. A utilização do Urim e do Tumim foram abolidas após o derramamento do Espírito Santo no Pentecostes, não se vendo a aplicabilidade destas práticas em nossos dias. Quanto a "abertura aleatória" do texto bíblico por Jesus em Lucas, veja o que diz o texto: "E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, ACHOU o lugar em que estava escrito..." (Lucas 4:17). O texto não nos permite inferir a interpretação da consulta a Palavra, pois Jesus ACHOU o texto denotando procura. Com todo o respeito, não queira dizer algo que o texto não diz.

    Agora, se afirmares que é um ato de fé do cristão, concordo. Entretanto, tais práticas não possuem fundamentos bíblicos para serem alçadas ao status de doutrina cristã.

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  42. Não digo, com isto, que constitui-se heresia o ato de clamar e de consultar a Palavra. O problema reside na sistematização desta prática como doutrina, mesmo não as vendo fundamentadas nas Escrituras.

    Pergunto: estariam os servos de Deus esquecidos e enganados em 2.000 anos de Cristianismo? Por que os remanescentes fiéis do Senhor não enxergaram estas práticas como fundamentais em toda a história da Igreja?

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  43. Dt.18 21,22 ''E, se disseres no teu coração: COMO CONHECEREI a palavra que o SENHOR não falou? Quando o profeta falar em nome do SENHOR, e essa palavra não se cumprir, nem suceder assim; esta é palavra que o SENHOR não falou; com soberba a falou aquele profeta; não tenhas temor dele.”ASSIM QUE ERA CONHECIDO SE DOM ESPIRITUAL ERA DE DEUS....
    Concordo com a consulta a palavra como uma experiência individual,eu já tive várias,mas não tem respaldo bíblico .O clamor pelo sangue de Jesus,claro que pode sim ser feito e muitas vezes deve,no caso de expulsar um demôniopor ex.,mas TER que clamar toda hora q vai orar..acaba o culto recebe benção apóstólica,as servas(de frente,ou função) ajoelham para receber imposição de mãos ,não existe a ''nescessidade '' de clamar de novo...a bíblia não tem nada escrito sobre isso,não é pecado,isso não nos torna seita,não retira a salvação de nínguém,mas também ninguém vai deixar de receber salvação se deixar de consultar ou clamar....

    ResponderExcluir
  44. Correto, não pode ser obrigatório clamar pelo sangue de Jesus, muito embora a invocação do sangue de Jesus para perdão dos pecados seja bíblico. A obrigatoriedade, não é bíblica, mas confesso que utilizo a prática diariamente, apesar de não concordar com o clamor se estamos em comunhão, isto é, clamar por qualquer motivo, mesmo após o culto. Não se usa arma em vão. No mais, é apenas uma prática da igreja cristã maranata, que tem seu valor. Vejo servos de outras denominações invocando o sangue de Jesus para perdão dos pecados, inclusive para defesa e para repreender o inimigo, e a prática funciona.

    Quanto à consulta à Palavra, evidentemente que um pergaminho (ou rolo) do livro do profeta Isaias não poderia conter todo o livro, mas talvez alguns capítulos, o que pode pressupor uma predeterminação divina, ou uma influência sobrenatural na escolha do texto, dia e hora. Os apóstolos também tiraram sorte.

    Enfim, a consulta à palavra tem poucas referências bíblicas de apoio e nenhum texto que autoriza a prática, diferente do clamor pelo sangue de Jesus. Não poderia haver texto bíblico que autorizasse a consulta à Palavra porque nem as escrituras (VT) eram acessíveis. Naquela época (igreja primitiva) imperava a tradição oral.

    A consulta à Palavra funciona, mas carece de fundamentação bíblica. Não posso ir além disso.

    Quanto ao fato da igreja maranata elevar essas práticas já comuns no meio pentecostas à condição de doutrinas, não faz dela uma seita.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  45. Caro CVPFB,

    Para perdão dos pecados e repreensão do inimigo, o nome de Jesus é eficaz e bíblico (com o apoio da história da igreja). Não contemplo necessidade de invocar o sangue de Jesus, muito embora possua o seu valor. Não possui embasamento bíblico esta obrigatoriedade e necessidade, mas a prática não se constitui em heresia. Resumindo: clamando ou não pelo sangue, o que importa é o nome de Jesus. O problema se constitui quando afirmamos que o clamor pelo sangue de Jesus é "um segredo desta Obra", deixando claro que a citação do sangue de Jesus em uma oração faz de seu pedido mais aceitável diante de Deus. Um equívoco!

    Quanto a consulta à Palavra, posso afirmar que tive (e continuo tendo) inúmeras experiências com o Senhor. Um coração com fé alcança graça e misericórdia diante de Deus e ele pode falar (quando quiser) pela sua Palavra. Entretanto, experiências pessoais não estabelecem doutrinas. Esta prática não deveria ser elevada ao status de doutrina, em minha singela opinião.

    Finalizando: o lançamento de sorte efetuada pelos apóstolos foi feita antes do Pentecostes. Após o derramamento do Espírito Santo, os apóstolos foram diretamente guiados por este Espírito (ver texto abaixo), não necessitando da prática veterotestamentária do lançar sortes.

    Texto: "Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir". João 16:13

    A Paz do Senhor.

    Obs: sua sinceridade e humildade é digna de cristão. Que Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  46. Complementando: a Igreja Cristã Maranata não é seita, pois não destituiu os pilares básicos e fundamentais do Cristianismo (ex: Bíblia como única regra de fé e prática; reconhecimento da Trindade; divindade de Jesus; etc).

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  47. Julia,

    Você está certa. A condição para que uma profecia seja do Senhor é que ela se cumpra. Há profecias que são vaidades, provém do homem, e há "profecias" que são do inimigo, que usa pessoas que dão brecha ou não estão em comunhão.

    Quem tem discernimento de espírito saberá distinguir de imediato a fonte da profecia. A consulta à Palavra, feita com comunhão e reverência, dirá se a profecia provém do Senhor.

    Vejo três problemas com a prática da consulta à Palavra para verificar se os dons são do Senhor, ou não:
    a)Não se deve retirar a responsabilidade do profeta. Se ele profetizou uma profecia que não é do Senhor, algo está muito errado e ele precisa se corrigir, ter mais temor e buscar mais;
    b)O discernimento de espírito deve ser guindado ao devido lugar no seio da igreja, é um dom fundamental e não devemos deixá-lo ser substituído ou cair em desuso;
    c)A consulta à Palavra não pode ser praticada por quem não está em comunhão com o Senhor, como já vi na reunião que antecede ao culto. Não vai funcionar. Melhor seria que fosse utilizada apenas pelo pregador e por alguns irmãos antes do culto. O pregador já deve chegar à igreja com uma mensagem, ou então utilizar a mensagem que tocou o coração de um irmão durante o dia e deixar que o Espírito diga com quem está a mensagem. Os dons espirituais devem se encaixar na mensagem, do contrário, ou os profetas, ou o pregador está em dificuldade.

    O pregador que chega à igreja e procura nos dons uma resposta para a mensagem não buscou o Senhor na noite anterior e nem durante o dia. Não esteve em comunhão, não deveria nem pregar. Se pregar, não é humilde, está sendo um fardo para a igreja. É inadmissível alguém ir pregar e não buscar comunhão e uma palavra da parte do Senhor. Título de pastor não faz milagres. Jejum e oração "fazem" milagres.

    É o que penso.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  48. O Pedro tem razão em suas afirmações.

    Conforme o livro O Poder do Sangue – H. A. Maxwell Whyte, visto em:
    http://distribuidoranovaalianca.com.br/produtos/livro-o-poder-do-sangue-h-a-maxwell-whyte/#detail-product

    percebe-se que "clamar pelo Sangue de Jesus" não é e nunca foi segredo "desta obra". Aliás, tal livro foi escrito em 1973 e relava a prática do "clamor" por dois grupos nas Ilhas Britânicas na Inglaterra, nos idos de 1907!

    Podemos dizer, sem medo de errar, que não é segredo da "obra" ou da ICM.

    Ou a liderança da ICM leu este livro e colocou como doutrina. Ou, pelo fato de ser um "segredo" aos servos fiéis, o Senhor revelou para esta "obra" assim como revelou apenas para esses grupos, em 1907. E agora?

    Veja a sinopse do livro:

    *Como obter o livramento através do Sangue de Jesus

    *Como clamar pelo Sangue de Jesus

    *Como aplicar o Sangue de Jesus na sua vida

    *Como receber a cobertura do Sangue de Jesus

    *Como obter a proteção de todo mal através do Sangue de Jesus

    Existe alguma coincidência?

    Eu desfruto, mediante a FÉ, os benefícios do clamor. Isso é um ponto.
    Afirmar que é doutrina bíblica e que é um segredo de algum lugar é outro ponto.

    ResponderExcluir
  49. Watchman Nee também fala muito sobre o poder do sangue, quase faz uma defesa do clamor, e nem tinha ICM na China.

    O uso diário e uma pratica Maranata, mas que nao possui problema algum. Vejo como um ato de humildade do crente, se apresentando como pecador, reconhecendo o sacrifício de Jesus e pedindo misericórdia e perdão antes de qualquer coisa (inclusive do culto).

    Depois disso, nem na Maranata há clamor repetitivo, as orações durante o culto nao se iniciam com o clamor. Clama-se novamente apenas em situações especificas, como uma consulta a palavra, mas e claramente desnecessário, apesar de muitos entenderem equivocadamente diferente.

    ResponderExcluir
  50. CVPFB,

    Concordo com tudo o que dizes. Falta o PES ler esse blog também.

    Bela mensagem, grandes ensinamentos.

    APDSJ

    ResponderExcluir
  51. CVPFB,
    Como almejei ouvir alguém dizer isso. que o pregador deve preparar a mensagem ou sermão em casa,no Espírito,ele deve ter em 1º lugar uma experiência com a palavra que irá pregar,o Senhor pode dar dons?Claro!!!Mas não obrigatoriamente todos os dias, se não tiver dom, não tem culto!!PÁRA!!!E antes quando o culto era apenas ''revelado''?Não existia ainda a prática do ''culto profético''(na verdade ele sempre existiu) quando me uni à ICM,não existia esta prática de ''culto profético'' e no entanto o pr(que pastor!!!)pregou e usou expressões que havia me inquietado dia todo ,coisas que só eu sabia,não havia comentado com ninguém,e não houve ''dom'' espiritual a este respeito,ele falou movido pelo Espírito Santo.
    Quanto a consulta dos dons,meu modo de entender é que o discernimento como você disse é a regra áurea,já vi casos de se consultar um dom,sair 2 versículos ''positivos'' e outro assim ''PROFETAS MENTIROSOS,DIZEM SONHEI,SONHEI,QUANDO NÃO OS ENVIEI'' e o diácono dizer que foi ''amem'' ou seja do Senhor o dom,porque teve 2 améns'' olha só o absurdo...ao meu ver,depende do contexto do dom..em que condições foi escrito o versículo que saiu...sem contar que tem coisas que não precisam ser consultadas..

    ResponderExcluir
  52. só mais uma ovelha13 de junho de 2012 23:02

    CPFB, tenho acompanhado o blog diariamente e estou muito feliz com o conteúdo; estou maravilhada com a maturidade espiritual de alguns irmão, especialmente pela forma que têm tratado tão abertamente de temas muitas vezes polêmicos para a maioria dos nossos irmãos. São mudanças assim que ainda anseio ver na mentalidade das nossas lideranças. Há tanto o que crescer e melhorar... enquanto isso vou aprendendo com o irmãos aqui no blog. Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
  53. concordo com a irmã só uma ovelha. Vale lembrar que existem muitos "costumes" que são aprendidos e estabelecidos por prs locais e difundidos no meio de obreiros. Já participei de muitas igrejas com costumes diferentes. Temos que ter cuidado ao generalizarmos.

    ResponderExcluir
  54. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  55. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  56. Caro Paulo de Tarso,

    Primeiro: Clamor pelo sangue de Jesus, no escopo das Escrituras, não é doutrina. A prática pode ser feita, não é herética, mas o cuidado com a aplicação do que não é revelado na Palavra deve ser considerado.

    Segundo: As doutrinas da Igreja estão explícitas na Palavra. Após o fechamento do cânon, não deveria haver novas revelações definindo doutrinas. Lembre-se que devemos batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos (Judas 1:3)

    Terceiro: a doutrina da Trindade está explícita na Palavra. Uma leitura exegética de Gênesis 1:1 é capaz de sanar todas as dúvidas concernentes a este assunto. Uma análise sistemática das Escrituras nos levam a concluir (sem dúvida alguma) a verdade da Trindade. Diferentemente da doutrina do clamor e da consulta a Palavra.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  57. Caros irmãos,

    Segue o conceito de doutrina, segundo a teologia reformada. É uma formulação de conceitos sistematizados extraídos das sagradas Escrituras sobre determinado tema, como salvação, arrebatamento, pecado, etc. A doutrina não prescinde da autenticação das escrituras e nem pode ser de particular interpretação, devendo ser aceita pelas igrejas cristãs em geral, como a doutrina da salvação pela graça. Sob esse aspecto, registre-se que há pontos doutrinários ainda não pacificados, como as doutrinas do arrebatamento, ou predestinação e livre arbítrio, o que não quer dizer que não possuem respaldo nas escrituras.

    Principais Doutrinas da Bíblia (fonte - http://doutrinas.blogspot.com.br/2006/08/principais-doutrinas-da-bblia.html)

    O Pr. Antônio Gilberto, quando esteve em Natal / RN, ministrando o Seminário "A Identidade da igreja e sua perda" (Maio/2006), distribuiu a seguinte lista:

    AS PRINCIPAIS DOUTRINAS DA BÍBLIA
    Pr. Antônio Gilberto

    Apresentamos a seguir, uma simples listagem das principais doutrinas da Bíblia, sem qualquer desdobramento nem referenciação bíblica. É uma listagem apenas para identificação das doutrinas, uma vez que muitos crentes, inclusive obreiros, confundem doutrina da Bíblia, com práticas, tradições, usos e costumes humanos, mesmo os bons e santos.
    Doutrina bíblica é um ensino da Bíblia, normativo, terminante, final, derivado das Sagradas Escrituras, como regra de fé em Deus e de prática de nossa vida cristã e de ministério, para a igreja de Deus.
    Costumes, usos, práticas, ritos, hábitos e tradições é na igreja uma forma de expressão do testemunho cristão, do comportamento social, e do porte e compostura do crente e da sua congregação, confirmando ou comprometendo a doutrina bíblica, a ética cristã e a moral evangélica.
    A classificação das doutrinas da Bíblia. Muitos crentes e igre¬jas não conseguem se aprofundar no estudo e compreensão das doutri¬nas do Santo Livro de Deus porque estudam-nas sem organização, sem método, sem ordem, sem seqüência, sem propósito, sem maior interes¬se, sem atenção e sem oração.
    "Que maneja bem a palavra da verdade", é a admoestação bíblica em 2 Tm 2.15.
    Para fins de estudo, todas as doutrinas da Bíblia podem situar¬ -se em três grandes grupos ou classes de assuntos doutrinários, a saber:
    . AS DOUTRINAS DA SALVAÇÃO
    . AS DOUTRINAS DA FÊ CRISTÃ
    . AS DOUTRINAS DO PORVIR (OU DAS COISAS FUTURAS)
    O estudo doutrinário da Bíblia deve ser feito pelo crente, na seqüência de assuntos acima indicada.
    A seguir, na listagem parcial de doutrinas, estão 53 principais doutrinas da Bíblia, agrupadas segundo a tríplice classificação já mencionada. Na Bíblia, cada doutrina dessas, repousa sobre um de número de referências bíblicas reais, que permitem o desdobramento de cada uma delas.


    AS DOUTRINAS DA SALVAÇÃO
    Algumas dessas doutrinas:
    1) A Doutrina do Pecado
    2) A Doutrina Geral da Salvação
    Alguns capítulos dessa grandiosa doutrina:
    - A Graça de Deus
    - A Expiação Pelo Sangue
    - A Propiciação Pelo Sangue
    - A Justificação Pela Fé
    - A Regeneração Pelo Espírito Santo
    3) A Doutrina do Discipulado Cristão
    4) A Doutrina do Arrependimento e Confissão de Pecado
    5) A Doutrina do Batismo em Águas.
    6) A Doutrina da Santificação
    7) A Doutrina da Eleição e Predestinação dos Salvos
    8) A Doutrina da Evangelização e Missões

    Continua......

    ResponderExcluir
  58. Continuação

    AS DOUTRINAS DA FÉ CRISTÃ
    Algumas dessas doutrinas:
    9) A Doutrina das Sagradas Escrituras
    10) A Doutrina do Deus Triúno: o Pai, o Filho, e o Espírito
    11) A Doutrina da Fé
    12) A Doutrina da Criação de Todas as Coisas
    13) A Doutrina dos Anjos Bons e Maus e os Demônios
    14) A Doutrina do Homem (isto é, acerca do homem)
    15) A Doutrina da Família
    16) A Doutrina da Consciência Como Faculdade Humana
    17) A Doutrina da Lei e da Graça
    18) A Doutrina de Israel (isto é, acerca de Israel)
    19) A Doutrina da Igreja
    20) A Doutrina da oração e do jejum
    21) A Doutrina do Louvor e da Adoração a Deus
    22) A Doutrina do Ministério Evangélico
    23) A Doutrina do Batismo Com o Espírito Santo
    24) A Doutrina dos Dons do Espírito Santo
    25) A Doutrina do Fruto do Espírito Santo
    26) A Doutrina do Perdão
    27) A Doutrina da Ceia do Senhor
    28) A Doutrina da Cura Divina
    29) A Doutrina da Unção dos Enfermos Com Óleo
    30) A Doutrina da Imposição de Mãos s/as Pessoas
    31) A Doutrina do Testemunho do Crente
    (=0 crente falar de Cristo com a sua vida)
    (=A vida cristã manifesta pelo testemunho do crente)
    32) A Doutrina da Contribuição Financeira, etc.
    33) A Doutrina das Duas Naturezas do Crente
    34) A Doutrina do Sofrimento do Cristão Nesta Vida
    35) A Doutrina do Crente Como Cidadão do Estado
    36) A Doutrina da Ação Social da Igreja
    37) A Doutrina da Disciplina Bíblica na Igreja
    38) A Doutrina Concernente ao Desviado
    39) A Doutrina dos Tipos Bíblicos (Tipologia Bíblica)
    40) A Doutrina da Encarnação e Deidade de Cristo.
    41) A Doutrina das Promessas de Deus

    AS DOUTRINAS DO PORVIR
    Algumas dessas doutrinas:
    42) A Doutrina da Morte e do Estado Intermediário dos Mortos
    43) A Doutrina da Ressurreição dos Justos e dos Injustos
    44) A Doutrina dos Juízos (ou Julgamentos)
    45) A Doutrina da Grande Tribulação Sobre Israel e os Gentios 46) A Doutrina Concernente ao Anticristo
    47) A Doutrina da Vinda de Jesus
    48) A Doutrina do Milênio de Cristo Sobre a Terra
    49) A Doutrina do céu Para os Salvos, e do Inferno Para os Perdidos
    50) A Doutrina do Conhecimento e Relacionamento dos Salvos na Outra Vida
    51) A Doutrina do Futuro de Israel e dos Gentios Corno Povos Na¬turais
    52) A Doutrina do Perfeito Estado Eterno (ou A Doutrina da Eternidade)
    53) A Doutrina das Dispensações e Alianças da Bíblia.

    Do ponto de vista do conceito exposto, e das doutrinas aceitas, depreende-se que o clamor ou invocação do sangue de Jesus para perdão dos pecados, revestimento e comunhão vem ganhando adeptos em todas as denominações, tendo vastas referências nas escrituras. Na classificação acima, há referência em doutrinas da salvação e doutrinas da fé cristã.

    Já a consulta à Palavra, utilizada em alguns círculos, como os pentecostais, não tem denso apoio nas escrituras, apenas algumas referências que não autorizam expressamente a prática, mas sua prática e sua importância é confirmada pelos irmãos.

    Concluindo, ainda não foram guindadas à condição de doutrinas pelos estudiosos, exceto pela igreja cristã maranata, mas gozam de aceitação em várias denominações, principalmente pentecostais. Talvez venham a ganhar mais adeptos e uma sistematização científica com a divulgação e o transcorrer do tempo. Todavia, para aqueles que já tiveram experiências com as práticas, não há muita diferença.

    Da minha parte, alego que a heresia, quando se conhece a verdade, é prontamente rejeitada. Já uma prática que não é prejudicial à vida cristã, mas proveitosa, mesmo quando se muda de denominação não deixa de ser empregada uma vez conhecida. É a teoria da árvore e seus frutos.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  59. CVPFB, organiza isso e põe como um post (ou um post para cada um dos três grupos de doutrinas).

    Acho que daria uma discussao bastante interessante.

    Sugestão.

    ResponderExcluir
  60. Caro CVPFB,

    O pastor e estudioso assembleiano Ciro Sanches Zibordi apresenta 20 doutrinas básicas da SALVAÇÃO, que são:

    1) A doutrina do pecado (Rm 3.23; 5.12,20), pois o pecado é a causa da perdição da humanidade.
    2) A doutrina da graça de Deus (Tt 2.11; 3.4), haja vista ser a graça a salvação quanto ao seu alcance.
    3) A doutrina da expiação pelo sangue (Lv 17.11), uma vez que a expiação implica salvação quanto ao pecado.
    4) A doutrina da redenção (Ef 1.7), que trata da salvação quanto ao pecador.
    5) A doutrina da propiciação (Êx 32.30), que enfatiza a salvação como um ato benevolente de Deus.
    6) A doutrina da fé salvífica (Ef 2.8), que trata do meio requerido por Deus para salvar o homem.
    7) A doutrina do arrependimento (Mc 1.14,15), que está intimamente ligada à doutrina da fé salvífica.
    8) A doutrina da confissão (Rm 10.9,10).
    9) A doutrina do perdão dos pecados (Cl 3.13).
    10) A doutrina da regeneração espiritual (1 Pe 1.3; Tt 3.5), que aborda o que ocorre dentro do pecador ao receber de Deus a salvação.
    11) A doutrina da imputação da justiça de Deus (Gn 15.6; Rm 4.2-11; 5.13; 2 Co 5.19; Fm v.18; Tg 2.23).
    12) A doutrina da adoção de filhos (Gl 4.5,6).
    13) A doutrina da santificação do crente (1 Co 6.11; 2 Co 7.1), isto é, a santificação posicional, “em Cristo”, e também a progressiva, no tempo presente.
    14) A doutrina da presciência de Deus (1 Pe 1.2).
    15) A doutrina da eleição divina (1 Pe 1.2).
    16) A doutrina da predestinação (Rm 8.29).
    17) A doutrina da chamada para a salvação (Rm 8.30).
    18) A doutrina da justificação pela fé (Rm 8.30), haja vista ser a justificação a nossa salvação vista na presença de Deus.
    19) A doutrina do julgamento do crente (2 Co 5.10; Rm 14.10), também, e principalmente, relacionada com a Escatologia.
    20) As doutrinas da glorificação dos salvos (Rm 8.30) e da salvação nas eras divinas futuras (Ef 2.7; 1 Tm 1.17; Jo 1.29).

    Assim sendo, a expiação ocorrida pelo sangue de Jesus é uma doutrina cristã. Esse não é o ponto de discussão. O que se debate é a necessidade da citação do "clamor pelo sangue de Jesus" em uma oração, como ato obrigatório e imprescindível. Tal assertiva não encontra respaldo nas Escrituras e na história da Igreja, diferentemente da necessidade da menção do nome de Jesus.

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  61. Caros irmãos Cvpfb e Pedro, gostaria de solicitar sugestão de livros que abordam esta questão da doutrina bíblica.

    Estou gostando muito dos comentários e até queria participar mais ativamente, porém, preciso me aprofundar um pouco mais no tema. motivo pelo qual peço as sugestões de livros bons e honestos.

    ResponderExcluir
  62. Concordo com o Pedro,

    O clamor pelo sangue de Jesus não é imprescindível. Se estamos em comunhão, o sangue de Jesus nos purifica de todo o pecado todo o tempo.

    O clamor, ou invocação, ou intercessão veemente, é uma arma para o pecador que se sente necessitado de perdão, purificação e comunhão. Não prescinde, como toda oração, de ser feita em nome de Jesus, muito embora tenha visto o adversário ser derrotado pela expressão "sangue de Jesus tem poder", quando dita no Espírito.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  63. Caro CVPFB,

    Assino embaixo desta sua declaração.

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  64. Quando do sacrifício do cordeiro por Israel no preparo para sair do Egito, a ordem de Deus era para que o sangue então colocado na bacia fosse aplicado nas portas... talvez esta passagem traga um ensino sobre a prática do clamor pelo sangue de Jesus. Não foi suficiente colocar o sangue na bacia e levar para dentro das casas. Teve que ser aplicado. Jesus derramou seu sangue na cruz e quando se clama pelo sangue de Jesus, não seria a aplicação do Sangue de Jesus na vida do crente?

    ResponderExcluir
  65. Anônimo,

    O que está em discussão não é a remissão dos pecados pelo sangue de Jesus. É o sangue do Cordeiro de Deus que nos lava de todo o pecado.

    Questiona-se a necessidade de reiterar o clamor diversas vezes.

    Quando o pecador arrependido suplica a misericórdia do Senhor, por um pecado cometido ou uma queda, entendo que a invocação do sangue de Jesus e a súplica por ser lavado e purificado fazem-se necessárias. O perdão é um ato de misericórdia de Deus.

    Nós, quando vamos à presença de Deus pelo novo e vivo caminho que Ele nos consagrou, devemos pedir perdão. Isso porque podemos pecar involuntariamente, por pensamentos ou palavras. Há, então, subentendida nessa oração inicial, uma necessidade de invocar o sangue de Jesus, ainda que não haja uma expressa menção ao sangue de Jesus.

    O que não vejo como imprescindível é, uma vez restabelecida a comunhão com o Espírito Santo, provada porque a nossa alma sente a presença do Senhor, reiterar o clamor ou a invocação.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  66. Caro CVPFB,

    Eu entendo que, embora creia na aspersão do sangue de Cristo sobre a vida do crente, não vejo a necessidade de clamar pelo sangue de Jesus a fim de ser aceito diante de Deus e ter seus pecados perdoados. Clamando ou não, a eficácia do sacrifício de Jesus é sobre a vida do servo.

    Não podemos afirmar (sem base bíblica) que uma oração que não contém a expressão "clamamos pelo sangue de Jesus" não é aceita diante de Deus, muito menos que o sangue de Jesus é derramado somente com a presença do clamor.

    Para facilitar, darei um exemplo: na abertura do culto na ICM, é necessário o clamor pelo sangue de Jesus para que a congregação alcance comunhão? Se afirmarmos que sim, caímos em um problema que nos levará a concluir que os cultos da igreja primitiva e da igreja reformada não possuíam comunhão, pois não se observava o clamor pelo sangue de Jesus. Assim sendo, julgo que o clamor é opcional, devendo o crente julgar como necessário ou não, diferentemente da menção do nome de Jesus, citado exaustivamente nas Escrituras como ordenança e regra de fé.

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  67. E a sugestão dos livros sobre doutrina bíblica????

    ResponderExcluir
  68. Ah, meu irmão Observador,

    Perdoe-me.

    Mais tarde trarei uma bela dica bibliográfica para você.

    Um abraço e a paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  69. No VT os sacerdotes para entrar no lugar santo e nos santos dos santos precisavam colocar o sangue na orelha, dedo da mão e pé. Todas as vezes. Quando ao clamor antes do culto e iniciar uma outra reunião, jugo que é necessário para entrarmos na presença de Deus. Um exemplo: "Jesus disse a Pedro que lhe precisava lavar os pés, senão não em parte comigo..."

    ResponderExcluir
  70. Opa, tô vendo que o CVPFB já está abrindo os olhos pra algumas coisas. Glória a Deus!

    ResponderExcluir
  71. Irmão anônimo,

    Não entendi o seu comentário. O CVPFB tem aberto os nossos olhos para muitas coisas. Glória a Deus!

    ResponderExcluir
  72. Concordo,

    E sem nos cegar para a verdade, como faz o MHS.

    APDJ

    ResponderExcluir
  73. Irmão anônimo das 15:09,

    Sugiro a leitura dos seguintes textos para ajudar em seu entendimento desta questão e da diferença existente entre o sacrifício do AT e do perfeito sacrifício do NT:

    . "Nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou UMA VEZ no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção".

    . "Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus; nem também para a si mesmo se oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário com sangue alheio". Hebreus 9:24-25

    . "Assim também Cristo, oferecendo-se UMA VEZ para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação". Hebreus 9:28

    Assim sendo, verifica-se que o acesso a Deus está sempre aberto pelo sangue de Jesus, independentemente do clamor.

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  74. Pedro,
    Gosto das suas intervenções, mas vejo que vc apresenta argumentos que as vezes carecem de uma interpretação do ponto de vista antropológico e histórico. Me desculpe a falta de tempo neste momento p/ fazr um debate + prologando. Cito o ex. acima "Se afirmarmos que sim, caímos em um problema que nos levará a concluir que os cultos da igreja primitiva e da igreja reformada não possuíam comunhão, pois não se observava o clamor pelo sangue de Jesus". Parece lógica Aristotélica
    volto depois... êta tempo...

    ResponderExcluir
  75. Anônimo

    Meu comentário foi no sentido que o CVPFB está começando a reconhecer alguns dos erros doutrinários da ICM. Como ele mesmo citou sobre o clamor pelo sangue de Jesus.

    APDSJ

    ResponderExcluir
  76. Tem gente que "clama" pelo Sangue de Jesus sem clamar!

    Tem gente que clama pelo Sangue de Jesus, repetindo as expressões "clamamos pelo Sangue etc."

    E, por fim, tem gente que NÃO "clama" (não usa as expressões), mas ainda assim clama pelo Sangue de Jesus.

    Confuso? Contraditório? Besteirol? NÃO. Observe:

    a) mais vale a expressão "clamamos pelo Sangue de Jesus" ou a invocação pelo Sangue de Jesus?

    b) mais vale a expressão "clamamos pelo Sangue de Jesus" ou o entendimento da necessidade do Sangue de Jesus?

    c) mais vale a expressão "clamo pelo Sangue de Jesus" ou a invocação sincera ao Sangue de Jesus?

    d) mais vale a expressão "clamo/clamamos pelo Sangue de Jesus" ou a FÉ de que o Sangue de Jesus nos purifica de todo (cada) pecado?

    e) mais vale a expressão "clamamos pelo Sangue de Jesus" ou a consciência de que somos pecadores e que precisamos de perdão?

    Por isso que digo: tem gente que "clama", mas não clama!
    Tem gente que clama sem "clamar".
    E tem gente que clama, "clamando".

    Ainda está confuso? Explico:

    "Clama", entre aspas, é a repetição em si das expressões.
    Clama, sem aspas, é o clamor verdadeiro (súplica etc., vide dicionário).

    Pedro, escreva um livro. URGENTE.
    Não precisa publicar. Escreva, converta para PDF e mande para os interessados. Será um bem precioso e valioso a todos.

    *você sabe muito bem que não é difícil escrever um livro. O que mais desmotiva a escrever não é o trabalho em si e nem a falta de tempo. O que mais desmotiva é ver milhares de exemplares à venda.

    ResponderExcluir
  77. Caro Pedro,

    De fato, o acesso a Jesus Cristo depende da oração em nome de Jesus Cristo. O acesso está assegurado pelo novo e vivo caminho que Ele nos consagrou, pelo Seu sangue.

    A oração pedindo o perdão pelos pecados, que o Senhor apague os pecados e nos purifique, que deve anteceder toda oração, traz em si o sangue de Jesus, ainda que não faça referência explícita ao sangue de Jesus.

    A referência explícita ao sangue de Jesus enfatiza o "novo e vivo caminho", é um recurso pois o sangue de Jesus é uma arma de defesa, de revestimento de poder e de ataque, sempre que a oração for feita em nome de Jesus. Inobstante, já vi o poder do sangue de Jesus contra o inimigo sem a referência ao nome de Jesus, mas não aconselho.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  78. Caro CVPFB e demais irmãos,

    Quanto reitero o equívoco de se estabelecer o clamor pelo sangue de Jesus como uma doutrina cristã, o faço baseado nas Escrituras, analisando também a história da igreja.

    Não quero, com isso, causar transtornos ao blog que tem sido extremamente democrático e ajudado muitos irmão que aqui encontraram liberdade para expor suas ideias sem serem mal vistos na igreja. Meu desejo é tão somente debater de maneira sadia, para que juntos possamos crescer no conhecimento de Cristo.

    É evidente que teremos posições contrárias em alguns aspectos bíblicos, mas estas poucas divergências são imensamente inferiores se comparadas com os pontos nos quais concordamos. Em suma, posso afirmar que meus poucos momentos por aqui tem sido bons, lidando com irmãos amados, mesmo que não os conhecendo pessoalmente.

    Um grande e fraternal abraço.

    P.S.: quanto a escrever um livro, já pensei em tal façanha, mas me julgo muito limitado para tal no presente momento. Tenho muito a aprender e pouco a ensinar. Quem sabe um dia?

    ResponderExcluir
  79. Caro irmão Observador,

    Conforme pedido, segue abaixo uma das bibliografias que considero importantes no estudo das doutrinas bíblicas:

    Teologia Sistemática Pentecostal

    Autores: Antônio Gilberto (editor geral), Claudionor de Andrade, Ciro Sanches Zibordi, Elienai Cabral, Elinaldo Renovato, Esequias Soares, Geremias do Couto, Severino Pedro da Silva e Wagner Gaby.

    Editora: CPAD

    Assunto do livro: Em TEOLOGIA SISTEMÁTICA PENTECOSTAL, alguns dos mais experimentados e dedicados teólogos expõem os fundamentos históricos da fé cristã e o alicerce bíblico que nos leva a proclamar as verdades pentecostais.

    O leitor terá uma visão clara e bíblica das principais questões acerca de Bibliologia (estudo da Bíblia), Teologia (estudo de Deus), Cristologia (estudo de Cristo), Pneumatologia (estudo do Espírito Santo), Antropologia (estudo do homem), Hamartiologia (estudo do pecado), Soteriologia (estudo da salvação), Eclesiologia (estudo da igreja), Angelologia (estudo dos anjos) e Escatologia(estudo das últimas coisas)

    Link: http://www.livrariacpad.com.br/Teologia-sistematica-pentecostal/Teologia/Livros/140633.html?acao=DT&prod_id=207443&dep=4732&secao=14844&pedido=75388280&marca=0

    Trata-se de uma obra excelente, produzida pelos principais doutrinadores da Assembleia de Deus no Brasil. Recomendo por tratar das doutrinas bíblicas de forma sistemática e, principalmente, por valorizar a simplicidade na transmissão do ensino bíblico, tendo como base as verdades pentecostais.

    Obs: valor de compra em torno de R$ 65,00.

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  80. Excelentes obras Pedro,

    Não fique chateado se não concordamos em tudo, nem os apóstolos do Senhor concordavam em tudo. O primeiro concílio, de Jerusalém, foi para aparar sérias divergências para o bem da obra do Senhor.

    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  81. Apesar da ótima sugestão do irmão quanto a um estudo sobre as doutrinas bíblicas, há uma continuidade da EBD acerca do julgamento de Paulo, que nos parece muito interessante. Os bastidores dos tribunais romanos são um pouco desvelados nas conversas entre o rei Agripa e Festo, demonstrando que eram mais justos do que o tribunal eclesiástico da religião judaica, impiedosa contra os dissidentes.

    ResponderExcluir
  82. pedro, agradeço pela sugestão. Na próxima segunda feira irei comprar esta obra. Obrigado e APSJ.

    ResponderExcluir
  83. Voto pela EBD.

    Devemos continuar porque tem sido muito proveitoso.

    APDSJ

    ResponderExcluir
  84. Também voto pela EBD. Só nao acho que uma postagem exclua a outra.

    Mas compreendo que a falta de tempo e um fator limitante.

    ResponderExcluir
  85. Mateus 13:52

    ENTENDO QUE ASSIM COMO NO VELHO TESTAMENTO, PARA SE ENTRAR NA PRESENSA DE DEUS É NECESSÁRIO O CLAMOR PELO PODER DO SANGUE DE JESUS.

    Hb 10:19 Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus,

    ENTENDO QUE A ICM NÃO É A ÚLTIMA IGREJA E SIM QUE FAZEMOS PARTE DA ÚLTIMA IGREJA.

    ENTENDO QUE A ICM É COMO MT 13:52 QUE TIRA DA PALAVRA ALÉM DAS COISA VELHAS, TIRA TAMBÉM AS NOVAS, AQUELAS QUE O ES TEM REVELADO ALÉM DA LETRA QUE MATA.

    ResponderExcluir
  86. Caro Anônimo,

    A "letra que mata" é a aplicação das leis do AT no período da graça. Não tem ligação alguma com as letras da Bíblia. Leia 2 Coríntios 3 em seu contexto imediato e remoto.

    E outra: o texto de Hebreus que você citou não fala de clamor, mas do poder do sacrifício de Cristo.

    A Paz do Senhor.

    ResponderExcluir

  87. Juliana B.: Minas Gerais
    LEIAM!!!
    Grande infelicidade a minha em ver comentários hipócritas e rancorosos vindo de pessoas que ao meu ver, não temem a Deus! O VERDADEIRO servo do Senhor só admite apenas uma preocupação em seus pensamentos: o de resgatar almas para o Deus vivo! Ele não se importa com coisas banais e passageiras, mas somente em cumprir o plano só nosso Deus na terra! Gostaria que estes difamadores, acusadores dissessem para mim agora, neste exato momento o nome de apenas UMA igreja que seja perfeita! O fato é: tal não existe! As igrejas (aquelas cuja preocupação seja realmente servir ao senhor) embora sejam guiadas pelo Espírito Santo, podem sofrer com a queda dos homem, sua falta de fé e assim por diante, porém nada disso é capaz de diminuir o que tem feito o Senhor em nossos dias! Ele é tão misericordioso para com nossas vidas que nos permite uma restauração, perdoando nossos pecados se assim nos arrependermos! Minhas palavras não são para ATEUS, pois sei de suas reais dificuldades em entender o cristianismo, mas, falo para aqueles q se julgam cristãos! Vcs, na minha opinião, não passam de escanecedores! Até agora não ouvi nenhum "ex-maranata"(como gostam de serem chamados) que expressaram suas "opiniões" aqui neste abençoado blog, dizer que ao sair dessa denominação FORAM PARA OUTRA, e assim gozaram de perfeita comunhão! Repito: esses que comentaram aqui! Só ouvi relatos como o conseguinte: saí da maranata, ela é uma seita, ninguém presta de lá, seita diabólica, pessoas mesquinhas, distorções bíblicas, revelações do além, etc. Prestem atenção ao que vou dizer: BLASFÊMIA CONTRA O ESPÍRITO SANTO!!! E isso que estão fazendo. Estão trilhando por caminho perigoso demais, que pode não ter volta! Viram? Atribuir ações do Espírito Santo ao adversário é a blasfêmia imperdoável por Deus! Parem, pelo amor de Deus! Vcs estão dizendo que as revelações da Igreja Crista Maranata não passa de coisas vindouras do inimigo! Dizem que seus estudos revelados, vieram das trevas!
    Isso é abominável! Sabemos sobre os dons espirituais, de suas aplicações em nossos atuais dias! Qualquer um com experiências pode afirmar isso! Seja um maranata, assembleiano, etc! E pq ainda assim blasfemam tanto? Com relação aos assuntos deste presbitério não nos cabe fazer justiça. Deixa-a para o nosso Deus, que realmente sabe fazer justiça! O fato é: podem até haver erros HUMANOS, mas confirmo com grande prazer, o que pude ver, os acertos são MUITO maiores! Mas muito maiores mesmo! O Senhor está naquele lugar! Há ali almas REALMENTE remidas! Sabem eles, os maranatas, tb de coisas corruptas dentro de nossas igrejas, mas nada fazem! Não tentam fazer a justiça com as próprias mãos! Querem eles orar pelos servos! Ora, dizer que essa denominação é obra revelada, e seria a melhor nos dias atuais, não seria um erro! Até msm pq TODAS as igrejas são certas de que são verdadeiramente as melhores! Pq crucifica-la só pq afirma isso! Minha mensagem é esta: olhem para as manchas dos seus próprios olhos, antes de falarem das manchas das outras pessoas! Tenho certeza q nada vai impedir este lindo trabalho que nosso irmãos maranatas estão fazendo! Nem msm a hipócrita opinião dos blasfemadores!
    Que a misericórdia do senhor os acompanhe! Amém!

    ResponderExcluir